Livros Adultos e Infanto-juvenis

Ficção Científica, Ficção Fantástica, Terror, Suspense, Policial

 

 

 

Roteiro canal USA (AXN) 1998 - "Saído do Inferno"

“SAÍDO DO INFERNO”

 

 

 

FADE IN:

 

 

1    EXT. AVENIDA CENTRAL - DIA

 

 

GRITARIA e pânico na rua. Uma MULTIDÃO do lado de fora de um grande edifício de escritórios de advogados; placa de bronze na perde. POLICIAIS, REPÓRTERES DE TV, muitas PESSOAS sendo retiradas às pressas; SIRENES por toda a região.

 

CORTA PARA:

 

2        INT. CORREDORES DO EDIFÍCIO – DIA

 

 

Pânico lá dentro, também. PESSOAS sem rumo, de um lado para outro. BOMBEIROS auxiliando.

 

CORTA PARA:

 

3    INT. SALA DE REUNIÕES - DIA

 

 

Um HOMEM, moreno e magro, tenso, com aparência de noites mal dormidas; é o terrorista. Tem na mão direita uma granada e ameaça explodir o prédio; na mão esquerda empunha uma arma na cabeça de uma SECRETÁRIA; O QUADRO SE FECHA no rosto desesperado dela. POLICIAIS e ESQUADRÃO DE BOMBAS em volta tentando conversar.

 

CORTA PARA:

 

4      INT. SALA DO ADVOGADO – DIA

 

 

TRÊS ADVOGADOS conversam num canto da sala ricamente decorada com porta-retratos de políticos e artistas conhecidos do público local com o grande advogado VINÍCIUS ROTHERDAN, homem gordo e velho.

Trajando terno de corte impecável que conversa com MARCOS ARMANDO, homem jovem, cabelos lisos e castanhos com traços hispânicos e RUBENS COSTA, cabelos grisalhos, barba branca, trajando roupas caras.

 

 

                   MARCOS ARMANDO

         Mas eu não entendo...

 

                   VINÍCIUS ROTHERDAN

         Aquele homem dentro da sala de nossa

reuniões quer explodir o prédio.

 

                   RUBENS COSTA

Ele só entrega-se na presença de um advogado... e ele quer você.

 

                   MARCOS ARMANDO

Isso é um edifício de advogados e ele

quer justo a mim? Um recém formado?

 

                   VINÍCIUS ROTHERDAN

         É nosso melhor homem, marcos. Não

despreze a si mesmo, dessa maneira.

 

                   MARCOS ARMANDO

         Obrigado sr. Rotherdan; obrigado sr.

Rubens. Reconheço a divida de gratidão

por terem me escolhido numa lista tão

grande de pretendentes para trabalhar

aqui, no conceituado escritório de

advocacia Rotherdan, mas...

 

              VINÍCIUS ROTHERDAN(NERVOSO)

Não tem “mas”. Você vai entrar lá e

conseguir sua rendição!

 

Marcos vê-se sem saída. CLOSE-UP no rosto ao cerrar de seus olhos.

 

CORTA PARA:

 

5    INT. SALA DE REUNIÕES - DIA.

 

 

Marcos tenta convencer o homem com a granada; ele está completamente transtornado. Marcos aproxima-se e a granada é acionada. A explosão não é grande, mas destrói a sala matando a secretaria e o terrorista.

Marcos é lançado pelo vidro caindo no corredor.

CORTA PARA:

 

6    EXT. RUA / AMBULÂNCIA - DIA

 

 

CAMERA mostra o movimento de resgate. MÉDICOS e ENFERMEIROS debruçados sob uma maca. O QUADRO SE FECHA numa peça de roupa que identifica marcos, muito ensangüentado.

 

CORTA PARA:

 

7    INT. SALA DE EMERGÊNCIA - DIA

 

 

A porta escancara ao ENTRAR da maca. DRA. CATARINA, mulher bonita, jovem, com traços orientais, responsável na sala, tenta salvar Marcos; entubado pela equipe de CINCO ENFERMEIROS. DR. VITOR ENTRA para ajudá-la sem muito interesse, ela e a equipe percebe.

 

 

                   ENFERMEIRO

         Ele está morrendo!

 

                   DRA. CATARINA (grita)

         Controle a oxigenação! Sangue...

         Tragam mais sangue!

 

Mexe em alguns aparelhos, olha em volta. Vê o descaso do dr. Vítor.

 

                   DRA. CATARINA (cont’d)

         Aplique intravenosa... 15 miligramas...

 

                   DR. VITOR

         Não, adianta, mais. Coma!

 

INVERSÃO DE QUADROS do ponteiro da máquina que mostram os movimentos cerebrais para os olhos arregalados da dra. Catarina. CAMERA SOB OS OMBROS do dr. Vítor que sai da sala de emergência, mostrando ao fundo o abandono da sala e de Marcos pela equipe.

 

CORTA PARA:

 

8    INT. HALL DO HOSPITAL - DIA

 

 

CAMERA SOB OS OMBROS de dois homens de costas; dr. Vítor aproxima-se.

 

 

                   DR. VITOR

         Está em coma!

 

O QUADRO SE FECHA no sorriso cínico de Vinícius Rotherdan.

 

CORTA PARA:

 

9    INT. SALA DA UTI - NOITE

 

 

Um APITO na máquina de oxigenação alerta a ENFERMEIRA. Num PRIMEIRO PLANO ela sai correndo; num SEGUNDO PLANO ela volta trazendo a Dra. Catarina.

O QUADRO SE FECHA num sorriso de alívio da doutora ao ver Marcos acordar do coma.

 

CORTA PARA:

 

10   INT. ENFERMARIA DO HOSPITAL - DIA

 

 

Dra. Catarina ENTRA na enfermaria e afasta a cortina de separação do leito onde Marcos, com mão enfaixada lhe sorri.

 

 

                   DRA. CATARINA

         Parabéns! Conseguiu sair da UTI após

         cinco meses.

 

                   MARCOS ARMANDO

         Obrigado! Se não fosse a Doutora...

         Disseram-me que perdi dois dedos...

 

                   DRA. CATARINA

         Está vivo! É o que interessa.

 

                   MARCOS ARMANDO

         É! Ainda não sei como me meti nessa.

 

                   DRA. CATARINA

         O que quer dizer?

 

A resposta é interrompida pela entrada brusca de um HOMEM que se identifica com uma credencial. Todos se olham curiosos.

 

 

                   DRA. CATARINA

         O que significa isso?

 

                   OFICIAL DE JUSTIÇA

         Com licença. Essa é uma ordem de

prisão para Marcos Armando.

 

                   MARCOS ARMANDO (assustado)

         Que foi que fiz?

 

                   OFICIAL DE JUSTIÇA

         Está sendo julgado pela explosão do

         escritório de advocacia Rotherdan.

 

                   DRA. CATARINA

         Isso é inconcebível! Esse homem

estava à beira da morte... não pode

passar nervoso algum...

 

                   OFICIAL DE JUSTIÇA

                   (cortando a fala)

         E quem é você?

 

                   DRA. CATARINA

Sou a Dra. Catarina, Cirurgiã-chefe, responsável pelo paciente.

 

                   OFICIAL DE JUSTIÇA

Pois tomara que seu paciente tenha a

mesma defesa nos tribunais. Aqui está...

 

Entrega um papel e uma caneta a Marcos Armando.

 

                   OFICIAL DE JUSTIÇA

                   (cont’d)

Tem uma semana para apresentar-se à

justiça, pagar os custos das indenizações. Também está sendo acusado de volumosas retiradas de dinheiro dos escritórios Rotherdan para uma conta na suíça.

 

                   MARCOS ARMANDO

         Isso é ridículo!

 

O Oficial de justiça SAI e a dra. Catarina encara Marcos.

 

                   MARCOS ARMANDO

Não sei do que ele está falando...

Eu juro!

 

CORTA PARA:

 

11   EXT. JARDINS DO HOSPITAL - DIA

 

 

Rodas de metal são mostradas; O QUADRO SE ABRE para mostrar que dra. Catarina leva Marcos para um passeio numa cadeira de rodas. Estão sozinhos.

 

                   DRA. CATARINA

         Eu fiz tudo o que me pediu. Você está

mesmo encrencado. Sua conta bancaria foi apropriada pela justiça, sua casa levada

à leilão, seu carro também e você tem 5 milhões de dólares de indenizações aos

feridos e prejuízos materiais e morais.

 

                   MARCOS ARMANDO

         Por quê? Não entendo. De que me

acusam? De provocar aquela explosão?

Mas não fui eu; juro.

 

                   DRA. CATARINA

         Segundo os autos do processo você

estava mancomunado com o terrorista.

 

                   MARCOS ARMANDO

Terrorista nada era o coitado do

ex-garagista que tentava assustá-los

depois de que foi despedido sem justa

causa. Eles não sabem, eu li o relatório.

 

                   DRA. CATARINA

         Ex-garagista? O escritório Rotherdan

te acusa de contratar o terrorista

para abafar um desfalque de 100

milhões de dólares.

 

                   MARCOS ARMANDO (grita)

         100 milhões? Eu não sei nada sobre

isso. Depois que percebia que eles

faziam algumas aplicações fora do normal

na bolsa de valores.

(cont’d)

Eu comecei a desconfiar e a copiar

certos relatórios, mas não havia

nenhuma retirada de 100 milhões.

 

                   DRA. CATARINA

E a conta na suíça? Houve um

depósito lá desta quantia e depois

foi retirada. Eles estão provando que

é a sua assinatura.

Eles têm muitas provas.

 

                   MARCOS ARMANDO

         Claro que tem minha assinatura. Eu

movia altas quantias para o escritório;

foi para isso que me contrataram, mas

nunca vi uma quantia dessas. Preciso

sair aqui... preciso investigar...

 

CORTA PARA:

 

12      INT. ENFERMARIA DO HOSPITAL – TARDE

 

 

SONS DE SIRENE invadem o ambiente. Marcos retira todas ataduras e descobre várias cicatrizes pelo corpo. Dra. Catarina ENTRA com a guia de saída do hospital.

 

 

                   MARCOS ARMANDO

Vai me ajudar? Vai conseguir a

autópsia do terrorista?

 

                   DRA. CATARINA

         É tudo tão difícil de acreditar...

 

                   MARCOS ARMANDO

Por favor! Só confio em você. Preciso descobrir algo sobre esse desvio de

dinheiro. Preciso descobrir por que o

ex-garagista comportou-se como um

terrorista e explodiu o escritório.

 

                   DRA. CATARINA

         Estou me arriscando muito.

 

Olha em volta para ver se ninguém escutava. Dois ENFERMEIROS e quatro PACIENTES estavam distantes.

 

 

                   DRA. CATARINA (cont’d)

Dr. Vítor, meu superior, me fez

muitas perguntas. Queria saber se você

falava muito enquanto doente.

 

                   MARCOS ARMANDO

         Estava em coma; como poderia falar?

 

                   DRA. CATARINA

Era o que ele pensava. Quando mandaram desligar a máquina eu afirmei que você

estava quase morto e só um milagre lhe

traria de volta. Salvei sua vida.

 

                   MARCOS ARMANDO

         Está querendo dizer que me tentaram

matar?

 

                   DRA. CATARINA

Eu não sabia que era isso. Achei que

fosse... economia. Além do mais...

 

                   MARCOS ARMANDO

         Além do mais?

 

                   DRA. CATARINA

Gosto de você.

 

                   MARCOS ARMANDO

Puxa... nem sei o que falar, mas

preciso descobrir a verdade. Preciso

sair deste inferno doutora; antes de

recomeçar uma vida nova.

 

Marcos pega suas poucas coisas e SAI.

 

CORTA PARA:

 

 

13   INT. BANCO DO ESTADO – TARDE

 

 

Marcos vê que sua conta bancária está interditada.

 

CORTA PARA:

 

14   EXT. FRENTE DA CASA - TARDE

 

 

Uma placa mostra que a casa está a venda. O CORRETOR DE IMÓVEIS aproxima-se dele parado no jardim da casa.

 

 

                   CORRETOR

         É uma boa oportunidade.

 

                   MARCOS ARMANDO

         O que houve com seus moradores?

 

                   CORRETOR

Coincidência; um homem me fez a

mesma pergunta.

 

                   MARCOS ARMANDO

         O que quer dizer?

 

                   CORRETOR

Que um homem, velho; perguntou assim

como você. Depois me ofereceu uma

quantia tão grande que achei que era lorota.

 

                   MARCOS ARMANDO

         Ele a comprou?

 

                   CORRETOR

Acho que vai; sei lá. Não me mandaram

tirar a placa ainda.

 

                   MARCOS ARMANDO

         Posso entrar? Sozinho! Gosto assim.

 

                   CORRETOR

Por mim...

 

CORTA PARA:

 

15   INT. SALA PRINCIPAL DA CASA - TARDE

 

 

FLASH BACKS mostram que a casa lhe pertencia. Marcos chora ao lembrar-se. Olha para a mão enfaixada, sente dores pelo corpo. A CAMERA acompanha-o até a primeira porta que ele abre.

 

CORTA PARA:

 

16   INT. QUARTO DA CASA - TARDE

 

 

Marcos vê o vazio. FLASH-BACKS voltam a mostrar tempos felizes; mostram sua cama, o armário, a pasta de executivo aberta e ele lembra-se que escondia num fundo falso do piso, alguns papéis. Ele agacha e remove a tábua; retira papéis que demonstram, ter sido copiados.

Marcos sorri numa mescla de vitória e tristeza.

 

CORTA PARA:

 

17   INT. SALA DA PROMOTORIA - DIA

 

 

Uma MÚSICA SUAVE toca. Uma mesa oval está lotada; três HOMENS e uma MULHER numa reunião, lêem alguns papéis. O homem da ponta é o JUIZ ALOIZIO ALVÉRIO; homem magro, com têmporas brancas; ele lê. O QUADRO SE FECHA no rosto de cada um dos três JUIZES restantes; estão apreensivos à espera de sua opinião.

 

 

JUIS ALOIZIO ALVÉRIO

Tem de convir que é muito estranho você

ter todos esses documentos em suas mãos.

 

JUIZ LUCAS

         Você retirou cópias sem autorização.

 

JUIZA STEPHANIE

Eles podem utilizar isso como provas

contra você. Podem afirmar que você

é mesmo um ladrão.

 

JUIZ PEDRO

         Você roubou essas provas?

 

Marcos aparece na cena.

 

MARCOS ARMANDO

Elas vieram às minhas mãos assim

como toda aquela papelada ilegal com

a qual eu trabalhava.

 

JUIZ PEDRO

         Então você sabia que eles faziam

coisas ilegais? Por que não denunciou?

 

MARCOS ARMANDO

Eu demorei em perceber que eram

ilegais.

 

JUIZ ALOIZIO ALVÉRIO

Quando você percebeu começou a

copiá-las? Sentia-se inseguro?

 

MARCOS ARMANDO

De alguma forma sim. Percebi que eles despediram o ex-garagista sem justa

causa. Achei que era por causa de um

arranhão num carro; depois fiquei sabendo

de um depósito alto; acho que o cara tava

mexendo no caixa da tesouraria. Vai ver

que era por isso aquele desespero todo.

 

JUIZA STEPHANIE

O que ele dizia antes da explosão?

 

         MARCOS ARMANDO

Falou sobre o descaso com o pobre, mas

estava seguro do que ia fazer;

estranho, não?

 

JUIZ LUCAS

         Bem, acho que temos um bom material

nas mãos; o que acha Juiz Alvério?

 

JUIZ ALOIZIO ALVÉRIO

O Rotherdan é muito meu amigo; alias

pessoa influente, mas se ele cometeu

um crime vai pagar por isso.

 

Olha a sala. CLOSE-UP em cada rosto.

 

                   JUIZ ALOIZIO ALVÉRIO(cont’d)

Vamos em frente!

 

MARCOS ARMANDO

         Eles me contrataram desde o princípio

com a certeza de que era perfeito para

bode expiatório. Solteiro, órfão e

recém formado.

 

CORTA PARA:

 

18   INT. SALA DE ROTHERDAN - NOITE

 

 

Um HOMEM remexe em alguns papéis. Algumas gavetas são cuidadosamente reviradas. Outro HOMEM mexe nos computadores. A tela mostra arquivos confidenciais.

Os dois homens saem sem levar muita coisa dentro de um envelope verde.

 

CORTA PARA:

 

19   EXT. RUA MAL ILUMINADA - NOITE

 

 

A Juíza Stephanie parece aflita, ouve PASSOS apressados. Os dois homens entregam o envelope verde e um QUADRO SE FECHA num disquete. Ela tira da bolsa dinheiro e paga-os.

 

CORTA PARA:

 

20      INT. RESTAURANTE FRANCÊS – NOITE

 

 

Na mesa, os Juizes Alvério e Stephanie e Marcos avaliam o conteúdo do mesmo envelope verde. O juiz Alvério pega o celular. Liga olhando Marcos.

 

 

                   JUIZ ALVERIO

Lucas? Amanhã façam o que deve ser

feito. Verifiquem as contas bancárias

de Vinícius Rotherdan.

 

CORTA PARA:

 

21      INT. BANCO SUIÇO – TARDE

 

 

Vêem-se os juizes Pedro e Lucas sentados, rodeados de papéis. O GERENTE do banco é JAIRO, homem pequeno com sardas pelo rosto e barriga saltada; está sentado junto com os dois enquanto conferem a conta bancária de Rotherdan.

 

 

GERENTE JAIRO

Não vão comprovar nada contra meu

cliente. É absurdo. Agora aquele

fedelho quer virar vítima.

 

Os juizes se entreolham.

 

                   JUIZ LUCAS

         Não estamos julgando seu cliente.

Apenas defendendo um inocente.

         GERENTE JAIRO (suando)

Inocente? Absurdo!

 

         JUIZ PEDRO (sarcástico)

Não se preocupe tanto, sr. Jairo.

Não deve temer pelo seu cliente se

é inocente, não?

 

         GERENTE JAIRO (levantando)

Um absurdo!

 

CORTA PARA:

 

22      INT. SALA DA PROMOTORIA – DIA

 

 

                   JUIZ LUCAS

         Nada! A conta de Rotherdan está

conforme os advogados disseram.

Totalmente fora de suspeita.

        

                   MARCOS ARMANDO

         Não é possível! E os papéis que

encontraram no escritório dele?

 

                   JUIZA STEPHANIE

         Aquilo são memorandos sobre dias de

depósitos, não encontramos nada

suspeito. Ele afirma que você era o

único a ter acesso às contas e que não

faz sentido roubar a si próprio.

 

              MARCOS ARMANDO

Então é isso! Ele estava roubando a si próprio.

 

JUIZA STEPHANIE

Por que ele faria? É rico!

 

MARCOS ARMANDO (desesperado)

O ex-garagista é despedido e explode

a sala de reuniões; por que?

Porque foi pago para isso.

 

                   JUIZ ALOIZIO ALVÉRIO

O caso está encerrado! Sinto muito.

 

MARCOS ARMANDO

Não podem! Tem que acreditar em mim...

 

Todos saem da sala atrás do juiz Alvério. Marcos cai em prantos. Vai procurar dra. Catarina.

 

CORTA PARA:

 

23      INT. SALA DE AUTÓPSIA – NOITE

 

 

Dra. Catarina aguarda na porta o fim da autópsia nos restos mortais o ex-garagista. O LEGISTA é DR. GUTO, jovem, ombros largos, leve tique nervoso. Dra. Catarina parece tensa; olha para os lados com medo de que alguém a veja por lá. Ele larga o bisturi, arranca as luvas, lava as mãos e aproxima-se.

 

 

DR GUTO

         Ele tinha quarenta... eu diria quarenta

e dois anos. Causa da morte...

Ferimentos múltiplos, hemorragia interna causada pela explosão de uma granada.

 

PAUSA

 

DR. GUTO

         Encontrei também um tumor nos pulmões.

         Ele tinha menos de um mês de vida.

 

CORTA PARA:

 

24      INT. QUARTO DE HOTEL BARATO – NOITE

 

 

                   DRA. CATARINA

         E agora?

 

                   MARCOS ARMANDO

         Não, sei! Eu lhe agradeço por ter

feito esse esforço por mim, mas não

espero mais justiça.

 

                   DRA. CATARINA

Está desistindo?

 

MARCOS ARMANDO

Desistindo? Não compreende? Ele é

poderoso; o próprio juiz Alvério havia

dito. Ele é amigo de toda aquela corja.

Eu conheço do ramo; não haverá justiça.

 

DRA. CATARINA

Lute, por favor. Gosto muito de você;

não o quero ver preso por um crime que

não cometeu. Faça sua própria justiça.

 

MARCOS ARMANDO

Não se preocupe, doutora; eu vou sair

desse inferno.

 

DRA. CATARINA

Como?

 

Marcos sai do quarto sem responder.

 

CORTA PARA:

 

25      INT. BANHEIRO DO QUARTO DE HOTEL BARATO – NOITE

 

 

Marcos entra no banheiro com lágrimas de derrota. Ouve a porta BATER e percebe que Catarina foi-se. Olha para a mão machucada, CLOSE-UP nos dedos que sobraram; faltam dois. Ele coloca uma luva de lã preta.

 

CORTA PARA:

 

26      INT. SALA DE ROTHERDAN – NOITE

 

 

O SILENCIO reina. Um som de TRÁFEGO ainda está longe. Vinícius Rotherdan dispensa a secretária, já é tarde da noite. Dirige-se para o cofre na parede que está aberto. É interrompido pelo SOM DO ELEVADOR. O QUADRO SE FECHA na maçaneta da porta. O QUADRO SE ABRE para que sua mão abra a porta e mostre que ele investiga o corredor vazio. Balança a cabeça e volta para a mesa. Abre uma gaveta e INSERT de uma arma na gaveta. Um PLANO SE FECHA na maçaneta, agora sendo girada. Ele volta à porta e vê o corredor vazio outra vez. Tranca a porta e vai fechar o cofre. Senta-se na mesa e um SOM DO ENGATILHAR de uma arma; o QUADRO SE FECHA na cabeça de Vinícius. O QUADRO SE ABRE para mostrar um homem de máscara e de luvas de lã pretas. Não se ouve sua voz. Ninguém vai saber quem é.

 

 

VINÍCIUS ROTEHRDAN

Você está sem saída, Marcos.

 

Nenhuma resposta apenas usa de mais força na arma apontada para a cabeça de Vinícius. Resolve irrita-lo.

 

VINICUS ROTEHRDAN (sarcástico)

Sou mesmo o melhor, não? Contratei

você para ser culpado. Ah! Essa

economia maluca. A gente não pode acertar nessa bolsa de valores sempre, não é?

 

INSERT na gaveta. Vinícius consegue escorregar a mão para alcançar a arma. O mascarado finge que não vê.

 

VINICIUS ROTHERDAN

Você era o homem perfeito para esconder

meus maus empreendimentos na bolsa.

Eu estava falindo, precisa de dinheiro e

um seguro milionário não era

suficiente; eu precisava roubar a mim

mesmo e achar uma maneira de receber um seguro. Inexperiente e querendo

mostra-se um grande profissional

você fazia tudo o que eu queria.

 

PAUSA

 

                   VINÍCIUS ROTHERDAN

Vamos... se mostre... diga que é

o idiota do Marcos...

 

O mascarado balança a cabeça, parece descontrolado com a confissão. Vinícius continua a provocá-lo.

 

                   VINÍCIUS ROTHERDAN

O pobre garagista; morrendo... Entrou

em pânico depois que arranhou meu

carro. “E a minha família”, falava...

 

INSERT na gaveta. A mão de Vinícius alcança o coldre e consegue liberar a arma. O mascarado ainda não se move.

 

VINÍCIUS ROTHERDAN (cont’d)

         Um milhão e explodiria o prédio. Junto

iria você e as minhas provas de que

roubava os escritórios Rotherdan. Você

seria culpado por tudo e eu vou

resgatar minha fortuna na suíça.

 

Numa SÉRIE DE PLANOS:

A- O mascarado dá um chute na gaveta que tranca a mão de Vinícius.

B- Vinícius tenta abrir a gaveta com a mão livre.

C- O mascarado tenta ataca-lo

D- Vinícius consegue a arma da gaveta e aponta-a para o mascarado.

E- O mascarado segura a arma de Vinícius enquanto continua apontando a sua própria na cabeça dele.

F- Vinícius consegue erguer-se da cadeira e lança-se sobre o mascarado.

G- O mascarado salta sobre ele.

H- Os corpos rolam de um lado para o outro.

I- O SOM DE UMA ARMA deflagrada, alertam os dois.

J- O mascarado arregala os olhos por debaixo da máscara.

K- Vinícius arregala os olhos.

 

O QUADRO SE ABRE e o mascarado levanta e vê o corpo de Vinícius; está ensangüentado; morre logo em seguida.

O mascarado olha em volta; dá um soco na mesa. CLOSE-UP nos porta-retratos que caem um após o outro numa seqüência.

 

CORTA PARA:

 

27      INT. CORREDOR DOS ESCRITÓRIOS ROTHERDAN – NOITE

 

O QUADRO SE FECHA na mão que retira a luva de lã preta. Faltam dois dedos. A luva é jogada no lixo do corredor. O QUADRO SE ABRE para mostrar um homem de costas entrando no elevador.

 

 

 

FADE OUT

 

 

FIM